VEGANO, VEGETARIANO E PLANT-BASED: SAIBA AS DIFERENÇAS

Tá aí um assunto que causa muita confusão: as diferenças entre o veganismo e o vegetarianismo. Se aprofundarmos mais ainda, vemos surgir a filosofia de alimentação plant-based, que nós da Beleaf acreditamos e seguimos em todo nosso cardápio.

Se você está deixando de consumir produtos de origem animal, é importante saber os benefícios e os impactos ambientais que cada um oferece.

Nessas horas a informação é super importante e ajuda bastante ao explicar para um amigo.

Sabemos que há muitas diferenças entre cada um dos tipos, mas uma coisa todas têm em comum: o não consumo de qualquer tipo de carne.

Nesse post, nós explicamos as classificações de acordo com a Sociedade Vegetariana Brasileira.

-“Quer entender direitinho as principais diferenças entre esses estilos de vida?”

Se sim, neste artigo você vai saber:

  1. Os tipos de vegetarianismo e detalhes sobre cada um deles
  2. Resumo sobre cada um
  3. Benefícios
  4. Impacto da sua escolha
  5. Porque adotar uma dieta vegetariana (e quem sabe, plant-based?)

TIPOS DE VEGETARIANISMO

Uma coisa é certa: vegetarianos, veganos e adeptos da plant-based não consomem nenhum tipo de carne.

– “Mas nem peixe?”

Nem peixe e nem frango. Afinal, eles também são tipos de carne.

Os vegetarianos podem ser divididos em subgrupos, que vão se “afunilando” na questão do consumo de alimentos de origem animal, como leites, queijos e ovos.

O ovolactovegetarianismo, por exemplo, inclui o consumo de ovos, leites e queijos. Já o lactovegetarianismo inclui apenas leites e queijos.

Os vegetarianismos, independente do seu tipo, são considerados apenas um regime alimentar.

Mas quando o assunto é veganismo, a questão se torna mais profunda.

OVOLACTOVEGETARIANISMO

ovolactovegetarianismo-alimentação-vegetarianismoO nome parece (e é) gigante, mas a própria denominação já diz bastante.

Uma pessoa ovolactovegetariana não consome carnes, mas consome ovos, leites, mel, queijos e qualquer refeição que contenha estes ingredientes.

Este tipo de vegetarianismo contém um grande número de adeptos, pois é considerado como a “porta de entrada” nas dietas sem carne.

Lembrando: quem se considera ovolactovegetariano não consome peixes ou frutos do mar.

O site Planet Wissen, da Alemanha, estima que há um bilhão de vegetarianos pelo mundo, ou seja, 1 em cada 7 humanos é vegetariano.

Em 2012, segundo o IBOPE, 8% da população brasileira se declarou vegetariana – e agora, estima-se que este número já tenha subido para 11%.

LACTOVEGETARIANISMO

Tentou adivinhar como seria a alimentação de uma pessoa lactovegetariana?

Se você imaginou que ela consome derivados do leite, mas exclui os ovos da alimentação, você acertou.

Realizado em 2016, esse estudo concluiu que um aumento de 10% no consumo de proteínas animais como carnes, laticínios e ovos, gera um aumento de 8% na chance de adquirir doenças cardiovasculares.

E só o fato de substituir a proteína dos ovos por fontes de origem vegetal diminui essa chance em 19%.

Tem mais: outro estudo, publicado no New England Journal of Medicine, diz respeito à lecitina, substância abundante na gema do ovo.

Foi descoberto que quando a lecitina é processada pelo intestino, há um aumento nos níveis de uma substância chamada óxido de trimetilamina (OTMA), que proporciona maiores riscos de doenças do coração.

Pra você entender melhor: quando a lecitina é digerida pelo nosso corpo e processada por uma bactéria do intestino, ela se transforma na OTMA.

E quando isso acontece, há um acúmulo de placas gordurosas nas artérias, o que aumenta a chance de infartos e derrames.

Por si só, já acreditamos que esse é um ótimo argumento para quem adota uma dieta lactovegetariana.

VEGETARIANISMO ESTRITO

Nem carne, ovos, leites, queijos, mel, manteiga…

Quem se considera vegetariano estrito, exclui todos esses alimentos da sua dieta.

Ou seja, os adeptos desse tipo de dieta não consomem nada que contenha ingredientes animais.

E se você está se perguntando quais as razões para se excluir os laticínios, a gente te conta algumas.

O cálcio, que é um mineral super importante para a saúde dos nossos ossos, pode ser obtido por meio de legumes, grãos e vegetais fontes mais saudáveis e seguras do que o leite animal.

Pra você ver isso na prática, fizemos essa tabela, que mostra algumas fontes vegetais riquíssimas nesse mineral.

Tabela mostrando a quantidade de cálcio em cada vegetal e como obtê-los

A própria intolerância à lactose é um indício bem grande de que o leite e seus derivados não são as melhores opções para o seu corpo.

Além disso, o leite é comprovadamente um alimento inflamatório e não faz tão bem a saúde como a gente pensa.

Mas agora, uma boa notícia:

Fizemos um guia completo com 5 receitas de leites vegetais deliciosos para você fazer em casa.

VEGANISMO COMO FILOSOFIA

Enquanto os vegetarianismos são considerados regimes alimentares, o veganismo é um estilo de vida.

Os seus adeptos evitam o consumo de produtos que contenham ingredientes animais ou que tenha realizado testes nos mesmos.

E nós estamos falando absolutamente todos os tipos de produtos, como cosméticos, produtos de limpeza, vestuário, entre outros.

O estilo de vida de uma pessoa vegana também exclui toda e qualquer forma de exploração animal, como rodeios e zoológico.

Vegano há mais de 27 anos, o músico americano Moby resolveu mudar seu estilo de vida quando passou a conviver com seus animais de estimação.

Várias de suas músicas foram escritas para transmitir mensagens sobre o veganismo e direitos animais.

No vídeo, ele conta mais sobre seus projetos, como se descobriu vegano e sobre a filosofia de vida que ele leva hoje.

“Você poderia olhar um animal nos olhos e dizer para ele, ‘meu apetite é mais importante que o seu sofrimento’?”
– Moby

Muito além de um regime alimentar, o veganismo defende que os seres humanos devem viver sem depender de outras espécies animais.

Por outro lado, isso também é considerado uma prática de compaixão por todas as formas de vida.

Uma pessoa com ideais veganos busca o consumo sustentável de roupas, calçados, cosméticos e produtos em geral.

Nada de tecidos como couro, seda ou lã animal ou produtos e ingredientes testados em animais.

Ah, e se você quiser começar a aplicar o veganismo em outras áreas da sua vida, dê uma olhadinha nesse guia sobre cosméticos sem crueldade que nós fizemos.

RESUMO

O que você pode perceber é que o vegetarianismo e o veganismo abrangem diversos grupos e tipos diferentes, cada uma com suas particularidades.

Pra facilitar, o portal Vista-se fez uma tabela bem bacana pra gente comparar as diferenças entre cada tipo de vegetarianismo e veganismo.
diferenca-tipos-vegetarianosAssim fica bem mais fácil visualizar e entender todas as diferenças.

E O PLANT-BASED?

Se você voltar ao título desse post, vai ver que ainda precisamos falar sobre plant-based. Então, vamos à essa deliciosa missão.

Plant-based, assim como o Veganismo vai além de uma dieta: é uma filosofia de vida que coloca você e seu prato em plena conexão

com a natureza. Isso porque os alimentos são consumidos em suas formas mais naturais. Aqui processados e refinados dão espaço à

versões sem interferência e os vegetais se tornam protagonistas.

Não tem corante artificial, mas tem muita cor e vitamina.

Os benefícios para a saúde e para o planeta são tantos, que achamos que plant-based merecia um espaço próprio para falarmos

sobre o assunto.

CORPO E MENTE MAIS SAUDÁVEIS

Conforme você vai eliminando alimentos de origem animal da sua dieta, a sua saúde também melhora de forma proporcional.

Isso se chama consciência alimentar.

E vai acontecendo aos poucos, de dentro pra fora.

É saber comer com mais qualidade e ter em mente dos benefícios do que cada alimento que você coloca em seu corpo.

-“Já pensou em fazer um pequeno teste e anotar, por uma semana, tudo o que você consome?”

Aquela alergia de pele constante ou que sempre tem data pra aparecer, pode ser uma reação do seu corpo a algo que você ingere.

Dessa forma, você conseguirá entender melhor o que te deixou com a pele oleosa, com mais espinhas, com dores de cabeça,  ou prisão de ventre…

Um livro muito legal para entender como o que você ingere afeta o seu corpo e principalmente, a sua pele, é o Skin Cleanse, da autora Adina Grigore.

Desde pequenos, nós somos acostumados a tratar os sintomas, ao invés de preveni-los.

E a prevenção está numa alimentação saudável para o nosso corpo e sustentável para o planeta.

Se você é vegetariano, vegano ou conhece alguém com essa dieta, sabe do que estamos falando – eles dificilmente ficam doentes.

O Comitê de Médicos para uma Medicina Responsável publicou um artigo falando sobre os benefícios do vegetarianismo e do veganismo para a nossa saúde.

Os benefícios mais notáveis são:

  • Prevenção de diversos tipos de câncer
  • Prevenção de doenças cardíacas
  • Melhora na pressão sanguínea
  • Prevenção e melhora de diabetes
  • Prevenção de cálculos renais e cálculos biliares
  • Prevenção de osteoporose
  • Melhora em quadros de asma

Se você ficou curioso sobre essa relação entre saúde e uma alimentação vegetariana, vale muito a pena dar uma olhada no documentário What The Health.

Lançado há pouco tempo na Netflix, o filme mostra como os hábitos alimentares afetam diretamente nas doenças que podemos adquirir – e como podemos mudar isso.

IMPACTO AMBIENTAL

Já pensou no impacto que as suas escolhas podem causar no meio ambiente?

A Climate Focus revelou que as emissões anuais de CO² na atmosfera seriam reduzidas em 50 a 90% até o ano de 2030, caso o mundo adotasse uma dieta vegetariana.

Ou seja, quando você deixa de consumir refeições que contêm carne ou derivados de animais, você já contribui para uma infinidade de coisas, como:

  • Economizar água
  • Evitar o desmatamento da floresta amazônica
  • Diminuir a quantidade de gases tóxicos na atmosfera

benefícios-meio-ambiente-vegetariano
E se você quer saber os benefícios que causa para o meio ambiente quando adota uma alimentação vegetariana, a gente te mostra:

PORQUE ESCOLHER ESSE CAMINHO?

Os motivos para as pessoas serem adeptas da dieta vegetariana, do veganismo ou da filosofia plant-based são muitos:

Ética, filosofia, paladar, saúde, meio ambiente, religião e espiritualidade são as razões mais comuns.

Lembrando que cada pessoa escolhe o que acredita ser melhor para si mesma – e não cabe a nós julgar isso.

Nós acreditamos que escolhas alimentares conscientes nutrem a melhor versão de cada um.